Moedim: As Festas Fixas do Criador

O capítulo 23 de Vayikra (Levítico) descreve as festas bíblicas, também conhecidas como “Moedim” (מֹעֲדִים) em hebraico, que são celebrações significativas para o povo de Israel. O Criador assim as descreve:

מֹועֲדֵי יְהוָה אֲשֶׁר־תִּקְרְאוּ אֹתָם מִקְרָאֵי קֹדֶשׁ אֵלֶּה הֵם מֹועֲדָי

moadei yhwh asher-tikre’u otam mikraei kodesh elleh hem moadai

“Estas são as minhas festas, as festas fixas de YHWH que vocês proclamarão como convocações sagradas!” (Vayikra/Levítico 23:2)

As festas bíblicas que o Eterno assinalou no verso acima são, talvez, os elementos que mais caracterizam a cultura e os costumes religiosos do povo de Israel. Elas são carregadas de simbolismos e ritos litúrgicos que enfatizam a íntima ligação do povo judeu, dos israelitas, com o D’us das Escrituras Sagradas! São preces, bênçãos, atos e costumes que caracterizam demais um praticante dos mandamentos e estatutos determinados por D’us, como uma marca registrada, indelével, do povo que foi escolhido pelo Eterno para ser o fiel guardião da Torah.

A palavra “moed” (מוֹעֵד) significa data, tempo fixo, prazo, festa, feriado, e isso deixa claro que as festas descritas em Vayikra são tempos fixados, determinados pelo Criador para os israelitas respeitarem e se conectarem a Ele em momentos específicos. São portais no tempo onde a conexão com o Criador se torna mais propensa, mais intensa, mais envolvente; momentos especiais onde a Luz bendita do Eterno se manifesta abundantemente para que alma humana, a alma mais básica, chamada de alma animal (נֶפֶשׁ – nefesh) se eleve até o nível superior, a alma elevada (נְשָׁמָה – neshamah)! São mais do que celebrações ou memoriais (זִכָּרוֹנוֹת – zichronot) e, por isso, são chamadas de convocações sagradas (מִקְרָאֵי קֹדֶשׁ – mikraei kodesh).

Eis as festas fixas determinadas pelo Eterno:

1- Shabat (שַׁבָּת): O Shabat é o dia de descanso semanal, celebrado tradicionalmente do pôr do sol de sexta-feira até o pôr do sol de sábado. É um momento de santidade e comunhão com D’us, no qual os israelitas se abstêm de trabalhar e dedicam tempo à oração, estudo da Torah e descanso.

2- Páscoa (פֶּסַח – Pesach): A Páscoa é uma festa que celebra a libertação dos israelitas da escravidão no Egito. É comemorada durante sete dias, começando no 14º dia do mês de Nisan. Durante Pesach, os israelitas realizam uma série de rituais e cerimônias, incluindo a refeição do Seder (סֵדֶר), na qual se lembram da história relatada em Shemot/Êxodo.

3- Festa dos Pães Asmos (מַצּוֹת – Matzot): É celebrada imediatamente após a Páscoa e dura sete dias. Durante essa festa, os judeus se abstêm de comer pão fermentado (חָמֵץ – chametz) e consomem apenas pão ázimo (מַצָּה – matzá), simbolizando a pressa com que os israelitas deixaram o Egito.

4- Festa das Primícias (בִּכּוּרִים – Bikurim): É celebrada no dia seguinte ao Shabat que ocorre durante a Festa dos Pães Asmos. É um momento de ação de gratidão pelas primeiras colheitas da terra.

5- Pentecostes (שָׁבוּעוֹת – Shavuot): É comemorado sete semanas após a Páscoa e marca a entrega da Torah no Monte Sinai. É um momento de alegria e estudo da Torah. Durante essa festa, os judeus também se lembram da oferta das primícias das colheitas.

6- Dia do Alarido ou Dia do Toque do Shofar (יוֹם תְּרוּעָה- Yom Teruah): É também conhecido como Ano Novo Judaico, ou Rosh Hashanah (רֹאשׁ הַשָּׁנָה), celebrado no primeiro e segundo dias do mês de Tishrei. É um período de reflexão, arrependimento e renovação espiritual, no qual os israelitas tocam o shofar (שׁוֹפָר – chifre de carneiro) como um chamado ao despertar espiritual.

7- Dia da Expiação (יוֹם הַכִּפֻּרִים – Dia das Expiações) : É o Dia da Expiação, conhecido tradicionalmente como Yom Kipur (יוֹם כִּיפּוּר), celebrado no décimo dia do mês de Tishrei. É o dia mais sagrado do calendário judaico, no qual os israelitas jejuam e se arrependem de seus pecados. É um momento de busca pelo perdão divino e reconciliação.

8- Festas das Cabanas (סֻכּוֹת – Sucot): É a Festa dos Tabernáculos, celebrada durante sete dias, começando no 15º dia do mês de Tishrei. Durante Sucot, os judeus constroem e habitam em cabanas temporárias (sucot) como uma lembrança das moradias utilizadas durante a jornada no deserto. É um tempo de alegria, gratidão e dependência de D’us.

9- Simchat Torah (שִׂמְחַת תּוֹרָה – Alegria da Torah ou Festa da Torah): É celebrado imediatamente após o término de Sucot. É um dia de celebração e alegria em que os israelitas concluem a leitura anual da Torah e iniciam novamente.

Cada festa tem suas próprias tradições, rituais e ensinamentos associados, que são transmitidos de geração em geração. Há uma série de restrições e proibições em todas elas, tais como não trabalhar, não cozinhar, não acender fogo, não usar dinheiro (não realizar transações comerciais ou manuseio de dinheiro), dentre outras. Essas proibições e demais tradições podem divergir de acordo com as linhagens e grupos judaicos.

Os judeus nazarenos (יְהוּדִים נָצְרִים – yehudim natsrim) adicionam a figura de Mashiach Yahushua ao simbolismo e à liturgia das festas, uma vez que creem nele como o Ungido de D’us, o Filho do Altíssimo, totalmente atrelado, identificado, associado ao povo de Israel e às suas tradições.

רוֹנִי בֶן לֵוִי

Roni Ben Levi

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *