As Orações Judaicas: sua importância litúrgica, suas origens e formas diversas

As orações judaicas são as recitações de orações que fazem parte da observância do Judaísmo. Estas orações, muitas vezes com instruções e comentários, são encontradas no sidur, o livro tradicional de orações israelitas. Oração em hebraico é תְּפִלָּה (tefilah), que possui o significado de “conectar-se”, “apegar-se”. Ela possui as seguintes raízes:


פ-ל-ל (pe-lamed-lamed): Esta raiz significa “orar” ou “rezar”. É a raiz principal da palavra תְּפִלָּה e está relacionada com a ideia de se comunicar com D’us por meio da oração;

פ-ל-א (pe-lamed-alef): Esta raiz significa “julgar” ou “avaliar”. Embora seja menos comum do que a primeira raiz, ela também está associada à palavra תְּפִלָּה, pois a oração é vista como uma forma de julgar ou avaliar nossas ações e comportamentos perante D’us.

פ-ל-ה (pe-lamed-hei): Esta raiz significa “separar” ou “dividir”. Essa raiz está relacionada ao conceito de separação ou distinção que ocorre durante a oração, onde o indivíduo se separa do mundo material e se aproxima de D’us.

As orações israelitas podem ser divididas em três categorias principais: as orações diárias, as orações dos dias especiais e as bênçãos. As orações diárias são recitadas três vezes ao dia: pela manhã (Shacharit – שַׁחֲרִית), à tarde (Minchah – מִנְחָה) e à noite (Arvit – עַרְבִית). As orações dos dias especiais são recitadas nos sábados, nas festas e nos dias de jejum. As bênçãos são recitadas antes e depois de comer, ao cumprir um mandamento, ao ver algo maravilhoso ou ao testemunhar um acontecimento importante.
A importância litúrgica das orações judaicas é expressar a fé, o louvor, o agradecimento e o pedido ao Criador. As orações também servem para fortalecer a identidade, a memória e a comunidade israelita. As orações são recitadas em hebraico, a língua sagrada (לָשׁוֹן הַקּוֹדֶשׁ – lashon hakodesh) do judaísmo, e seguem uma ordem e uma estrutura fixas.


As origens das orações judaicas remontam aos tempos bíblicos, quando os patriarcas, os profetas e os reis se comunicavam com o Eterno. Alguns exemplos de orações bíblicas são o Cântico de Mosheh (Shemot/Êxodo 15), o Cântico de Devorah (Shofetim/Juízes 5) e os Salmos (Tehilim) de David. Após a destruição do Templo de Jerusalém no ano 70 d.C., as orações substituíram os sacrifícios como forma de adoração a YHWH. Os rabinos compilaram e organizaram as orações em livros que foram transmitidos ao longo das gerações.


As formas diversas das orações judaicas refletem as diferentes tradições e costumes das comunidades judaicas espalhadas pelo mundo. Existem diferenças na pronúncia, na melodia, na escolha dos textos e na postura durante as orações. Algumas das principais tradições litúrgicas são a ashkenazi (dos judeus originários da Europa Central e Oriental), a sefaradi (dos judeus originários da Península Ibérica, do Norte da África e do Oriente Médio) e a mizrahi (dos judeus originários da Ásia Central e do Sul).


As orações judaicas são uma forma de expressar a relação entre o povo israelita e D’us, o Eterno, o Sagrado, bendito seja Ele, que é chamado por vários eufemismos pelos judeus em todo o mundo, sendo Adonai (אֲדֹנָי – Senhor) e HaShem(הַשֵּׁם – O Nome). Em outro artigo abordarei com mais detalhes o nome do Criador, o Tetragrama Sagrado, que é YHWH (יהוה). As orações judaicas são uma forma de celebrar a história, a cultura e a fé israelitas.

רוני בן לוי

Roni Ben Levi


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *